MOV

MENUS

FOTO

quarta-feira, 25 de abril de 2018

O general da educação - Raimundo Gomes de Oliveira.


O general da educação
Raimundo Barros Lima
24/05/2012


O professor Raimundo Gomes de Oliveira tem o seguinte perfil:
Nasceu em 24.05.1924, em Capanema – Pará, porém com dois (2) anos sua família desembarcou em Sena Madureira, onde viveu parte de sua infância. Ele se considera senamadureirense da gema. Seus pais José Vicente de Oliveira e Vandira Gomes de Oliveira, foram seus maiores ídolos e sustentáculo de sua brilhante carreira profissional. Casado com Edite Abreu de Oliveira, musa e dona do seu coração, o qual conquistou em Xapuri , quando o mestre Raimundo prestava seus conhecimentos, no Instituto Divina Providência, de 1955 a 1958.
Aquele professor de olhos azuis embalou e destruiu jovens corações das moças residentes em Brasiléia, Tarauacá, Rio Brando e Xapuri. Contudo, foi a bela Edite, meiga e educada, que conquistou e prendeu o jovem Raimundo, para um casamento eterno.
Raimundo Gomes, desde criança demonstrava aptidão para os estudos, sua escolaridade foi exemplar: fez o curso primário no Grupo Escolar 7 de Setembro; ginasial no Colégio Acreano; colegial na Escola Normal Lourenço Filho; superior bacharel em Direito, Universidade Federal do Acre. Todos esses cursos em Rio Branco, conduziu-os com dedicação, aproveitamento e suprema inteligência.
O professor Gomes participou de vários cursos de especialização e aperfeiçoamentos na área de ensino, sendo os mais importantes: aperfeiçoamentos de Ensino, promovido pela Universidade Católica de Campinas – São Paulo; Administração da Legislação de Ensino – organizado pelo Centro de Administração Técnicas do Estado; Curso de professores do Ensino Médio, na disciplina de Português – organizado pela Inspetoria Seccional e Ensino Secundário do Amazonas.
A carreira profissional – Filho de famílias que primavam pelo trabalho, Raimundo Gomes de Oliveira sempre almejava trabalhar, já no inicio de sua juventude, para lhes proporcionar condições de vida ainda melhores. Sua primeira oportunidade de emprego aconteceu quando estudava no Colégio Acreano, convidado pelo diretor Pimentel Gomes (Agrônomo, escritor de livros de Matemática e Estatística), então responsável pelo setor Agropecuário, no governo Silvestre Coelho. As famílias Gomes eram amigas, quando Aymoré, filho do Dr. Pimentel, adoeceu, o colega Raimundo, começou a organizar as disciplinas ministradas no Colégio Acreano e repassá-las com firmes orientações. Percebendo sua capacidade para manipular números, designou-o, para o exercício da função de observador meteorológico na antiga Estação Experimental (hoje bairro) Agropecuária do governo. “Foi meu primeiro emprego, ao qual dediquei-me com muito amor, assiduidade e disciplina”.
Com a saída de Jarine, chefe do setor, o mestre assume o cargo de chefia do setor de meteorologia. Começa também sua carreira profissional de funcionário publico; O segundo setor de trabalho foi no Departamento de Viação e Obras Públicas.
Seu Grande sacerdócio, educação, começou em 1950. Com a profunda paixão, competência  e amor o mestre Raimundo Gomes exerceu o Magistério desde os governos Guiomard Santos, até Orleir Cameli. Diretor do Colégio Acreano de 1966 a 1999, é uma vida! Passando pelo período negro da revolução até a democracia.
No período de 1950 a 1954 foi professor das disciplinas de Português e Francês, nas escolas Normal Lourenço Filho e Técnica de Comércio Acreano, Ginásio Nossa Senhora das Dores, Colégio Acreano até 1954; Instituto Divina Providência (Xapuri), 1955/1958; diretor da Escola Normal e Grupo Escolar João Ribeiro-Tarauacá, 1959/1963. “‘Fui recebido com um lindo baile e um recital no thea-tro de Tarauacá, por professores, pais, alunos e convidados, foi emocionante”.
O professor “Raimundo Louro” retoma sua brilhante carreira administrativa no ensino acreano em 1965, como vice-diretor do Colégio Acreano: diretor em 16 de maio de 1966, desde aquela data o Colégio Acreano obteve destaque no cenário educacional acreano e na Região Norte, onde formavam-se brilhantes acreanos, cujo capital intelectual foram demonstrados por governadores, desembargadores, funcionários públicos , professores, políticos. “Sou muito bem recebido e amado por meus ex-alunos”, diz Raimundo Gomes.
O cotidiano: Missões, alegrias e tristezas.
O professor Raimundo Gomes de Oliveira recebeu durante sua dedicação ao ensino acreano, em especial no Colégio Acreano, séries de homenagens, placas comemorativas, versos, cartões, poemas, festas surpresas, troféus, comendas as quais o emocionaram muito, felizmente, todas em vida, como reconhecimento aos seus serviços prestados ao desenvolvimento de ensino, como sejam: Honra ao Mérito – Universidade Federal do Acre; Educador do Ano – Imprensa escrita do Acre; Ordem da Estrela do Acre no grau “CAVALHEIRO“ – Governo do Estado do Acre, Medalha de Mérito Funcional – Governo do Estado do Acre; Cidadão Rio-branquense – Câmara Municipal de Rio Branco; Medalha de Honra ao Mérito Educacional – Conselho Educacional de Educação; Certidão de Relevantes Serviços Prestados – Poder Judiciário; Medalha Cel. Manoel Fontinnelle de Castro – Polícia Militar do Estado do Acre; pelo decreto nº 57, de 13 de março de 1987, foi denominada de “Prof. Raimundo Gomes de Oliveira“ , a escola de primeiro grau construída no Conjunto Tucumã em 12 de outubro de 1988, uma bela homenagem, que o emocionou bastante e cunhou o nome de um educador apaixonado por sua missão no planeta Terra.
Fonte: Raimundo Barros Lima 24/05/2012 


Revindicação do R. G. O